domingo, 30 de abril de 2017

NO MEU “MACRONISMO FRANCÊS”, O EQUILÍBRIO DO MEU EIXO POLÍTICO ESTÁ MAIS PARA LIBERALISMO DO QUE PARA O SOCIALISMO

RASCUNHO ONLINE




       Depois de muitos anos de incertezas, hoje encho o peito para dizer que minhas convicções são inabaláveis sobre a LIBERDADE em todas as suas extensões.
       Inconscientemente sempre proclamei estas idéias, e sempre estive disponível para discuti-las, não para convencer ou converter alguém, mas para corrigir os equívocos que as certezas, invariavelmente, nos levam a cometer.
       Na juventude minhas crenças eram outras e a boa intenção sempre me posicionou radicalmente contra as diferenças... coloquei em vermelho lá na postagem. Já fui socialista, depois usei o prefixo "social" para "dourar minha pílula", e, lentamente, ao longo dos anos fui deslocando meu eixo político à direita.                 
        Primeiro a "social democrata", depois "social liberal", e recentemente consegui verbalizar-me como um "Macronista" radical de centro",     
        Foi por causa da corrupção e da ingerência administrativa em meu país que assumi e abracei definitivamente esse meu quase LIBERALISMO, "quase" porque ainda acredito em intervenções pontuais do Estado em alguns bolsões de pobreza, sempre com mais pragmatismo do que com sonhos e assistencialismo.
       Os anos forjaram e evoluíram meu respeito a essas posições divergentes... são dezenas de amigos, meu irmão e até meu filho apontam erros e discutem comigo aquilo que para mim parece inquestionável, os que estão abertos para o confronto de idéias estou sempre disposto a uma discussão, já outros, mais radicais e intolerantes, direciono todo o meu amor fraterno apenas para as nossas convergências pessoais.
        Mas não deixo e ter consciência da realidade que me cerca, em vez de levantar bandeiras políticas, busco causas, e dou um exemplo nesse sentido, em vez de socialismo e liberalismo, prefiro parafrasear a Ministra Carmen Lucia: "O Estado brasileiro já é mínimo para quem chega a um posto de saúde e não tem nem um esparadrapo...", meus porquês, pragmaticamente, se direcionam à corrupção.
        É a VIDA que segue com todo o esplendor que as saudáveis divergências proporcionam.

Rascunho online em 05/05:  substituo "intervenções pontuais" por permanentes intervenções em bolsões de pobreza

Nenhum comentário: